sábado, Janeiro 28, 2006

A Poesia do Cume

No cume daquela serra
semeei uma roseira
O mato no cume arde
A rosa no cume cheira...
Quando cai a chuva gossa
a água do cume desce
o orvalho no cume brilha
o mato no cume cresce!
Mas logo que a chuva cessa
ao cume volta a alegria,
pois volta a brilhar depressa
o sol que no cume ardia
E quando chega o verão
tudo no cume seca
o vento o cume limpa,
e o cume fica careca...
Ao subir a linda serra
Vê-se o cume aparecendo
mas começando a descer
vai-se o cume escondendo
Quando cai a chuva fria
salpicos no cume caem...
abelhas no cume picam...
lagartos do cume saem...
À hora crepuscular
todo o cume escurece,
irilampos no cume brilham
e a lua no cume aparece!
E quando vem o inverno,
a neve no cume cai...
O cume fica tapado,
E ninuem ao cume vai...
Mas a tristeza logo se acaba,
e de novo vem o verão!
O gelo do cume cai
e todos ao cume vao!
in: "o sabixa não faz melhor!! hihi..."
...sherm.....

5 comentários:

Anónimo disse...

poesia profunda essa hein?

Anónimo disse...

muito criativa essa poesia, legal

bell cirs disse...

essa poesia vai lah no fundo!!!!!!

carlito mendes disse...

quem gosta do cume visita
o cume dá felicidade
pois sempre que o cume agita
é festa em toda a cidade

Roger disse...

Cagar é uma coisa profunda, a bosta bate na agua e agua bate na bunda!